Na ocasião do Furacão Sandy em 2012, fui fotografar as consequências em Red Hook, Brooklyn, Nova Iorque. Lá conheci Yolanda e Barbara, duas mães solteiras que vivem com seus filhos em um dos apartamentos da Red Hook Houses, o maior projeto habitacional do Brooklyn e um dos maiores dos Estados Unidos, com mais de dez mil residentes.

Um terço das residências do bairro é composto por mães solteiras. Elas passam por múltiplas e sérias barreiras ao trabalho, incluindo baixa educação, dificuldades de aprendizagem, problemas de saúde, um histórico de violência doméstica e abuso de substâncias. Durante décadas, a vida em RedHook foi definida pela violência, dependência, pobreza, isolamento e oportunidades perdidas - não o melhor lugar para se criar uma criança. 

 

Jovens meninos e meninas crescem sem uma figura paterna em suas vidas. Qual é a essência da paternidade?

É simplesmente o estabelecimento da paternidade biológica? Será que os pais simplesmente fornecem um cheque de pagamento? Ou a paternidade abrange muito mais? Como isso afeta seus relacionamentos e seu futuro? É um efeito dominó. 

 

A maternidade dá a Yolanda e Barbara a força para trabalhar por um futuro melhor e superar os muitos obstáculos que aparecem no caminho. Cuidar de seus filhos traz sentido e alegria ao seu mundo muitas vezes caótico e sem esperança.